Mar del Plata (Argentina)

Mar del Plata é uma cidade costeira e o destino balnear mais comum da população de Buenos Aires. Fez-nos lembrar as nossas praias do norte, ventosa, águas mais frias, atrativa para desportos como surf, kitesurf ou parapente, com um centro desenvolvido, mas subúrbios não tão interessantes. Para nós foi ótimo para repor o sono e descanso porque o hostel nesta altura do ano é muito calmo, sem gente a chegar tarde e sem discotecas perto.
Notamos desde logo a influência do centro da europa na arquitetura da cidade. Receberam imigrantes da Alemanha, Áustria e Hungria nos anos 40 e quem conhece estes países não precisa de ir à Wikipedia confirmar, porque é evidente a influência na construção (fomos na mesma para suportar o que escrevemos).

DSC_4024

Fomos para Mar del Plata de Buenos Aires no autocarro noturno e como eram “só” 5 horas não tinham serviço nem manta nem comida. Há motoristas que gostam de pôr os autocarros gelados, o que não ajuda a adormecer. Quando chegámos era demasiado cedo para utilizar os transportes públicos, então optámos por ir de táxi, o primeiro táxi da viagem! Sondámos primeiro o preço, verificámos se tinha taxímetro e entrámos. Não acertou no valor exato mas não falhou muito na previsão. Um caminho de 5km ronda os 120 pesos, também válido em Buenos Aires, independentemente de ser diurno ou noturno, ter ou não ter bagagem na mala.

DSC_4060

O que fazer?
Podem-se fazer caminhadas no passeio alegre junto à praia. Há vários desportos com estrutura de apoio para aluguer de equipamento, como surf ou paddle.
A Torre Tanque, perto do centro, permite ter uma vista panorâmica da cidade. É um edifício histórico interessante, que ainda hoje se encontra em serviço, armazenando 500.000 litros de água na torre e 13.000.000 litros nos tanques adjacentes ao nível do solo. Está aberto das 8h às 17h e a entrada é grátis.
O Museu MAR de arte contemporânea, localizado num edifício junto à praia, a norte de Mar del Plata. Não é no centro mas existem autocarros a fazer o trajeto junto à praia. Tal como o casino, tem uma escultura de um leão marinho à entrada, mas este feito em réplicas de embalagens de alfajores. Vale a pena pelo edifício, a entrada é grátis e tem várias exposições temporárias.
Junto à praia central fica o casino, que possui também uma sala de espetáculos e um hotel. Nesta zona tem um cais com um edifício envelhecido bastante fotogénico, onde funcionam um clube de pesca e um restaurante.
Existe a sul um capo de golfe e um porto, com uma peq uena estátua de um cristo redentor.
Nos arredores existe a Sierra de los Padres, no entanto não chegámos a visitar. Partem excursões diariamente do centro.
Há imensos eventos na cidade (concertos, teatros, atividades desportivas, congressos, milongas ou exposições) apresentados no “Guia de Actividades” mensal, encontrámos um exemplar no Museu Mar.

DSC_4078
Torre Tanque

DSC_4090GOPR1513

Onde dormir?
Ficámos hospedados no Carrusel Art-Hostel. Fica a norte, a cerca de 5km do centro, na segunda linha de praia. A paragem de autocarros mais próxima fica a 5 minutos a pé. Ficámos num quarto privado com quarto de banho, com boas condições. Para conseguirmos ter mais descanso e privacidade, quando a diferença de preço não é exorbitante comparativamente com os dormitórios, nós optamos por escolher este tipo de quarto, mesmo que tenha WC partilhado. Voltando ao hostel, este não inclui pequeno-almoço mas tem cozinha equipada, snooker, matraquilhos, um projetor fantástico para ver futebol, TV, um pátio agradável e bar.
É gerido por uma família que se interessa pela história dos viajantes e com carinho por receber, ou não fossem eles apaixonados por viagens. O filho do proprietário e a nora já foram mochileiros. Ofereceram-nos lanche, muita conversa, dicas e fizeram questão de seguir o blog e o facebook. Ajudaram-nos a perceber que estamos a dar ênfase a cidades com pouco interesse e a esquecer alguns destinos para eles obrigatórios, coisa que poucos guias ou blogs fizeram até agora. Falaram-nos de vários sítios “hermosos”, palavra que os argentinos adoram o utilizar para algo que é mais do que bonito, como o norte da Argentina, que vamos ter de deixar para outra viagem. Fizeram-nos sentir como num jantar de amigos e não como hóspedes, com direito a beijo e abraços (aqui o cumprimento faz-se sempre com um beijo, um só, tanto entre homens como mulheres). Convidaram o Tiago para jogar futebol e disseram-nos onde se bebe a melhor cerveja artesanal.

DSC_4042

Onde comer?
É preciso caminhar com paciência para escolher sítios baratos. Aqui, a média por refeição para duas pessoas passa sempre dos 350 pesos com bebida. Procurando afincadamente, às vezes conseguimos descer até aos 250 pesos.
Com um preço imbatível, recomendamos o Nudel, dentro do Libre 10 (cruzamento de San Martin com a 20 de Septiembre). Tem pratos vegetarianos ou carne. Já vos dissemos no Dia da Mulher que é um espaço tipo galeria, com bastantes eventos mensais e uma carga comunista muito forte.
O Shopping Paseo Aldrei tem muita variedade de fast food, mas também massas, grelhados e um asiático. Os pratos não variam muito, tanto na Argentina como no Uruguai, o que mais se vê são os grelhados, panados (milanezas) e as massas recheadas.
Nós jantámos sempre no hostel. Os supermercados permitem variedade de opções, até para vegetarianos, com muitas opções de legumes e frutas.
Comprámos o queijo argentino que se grelha, o Provolone. Que delícia! Não o grelhámos, deixamos derreter na frigideira e fomos comendo. Uma experiencia gastronómica que não se deve perder na argentina.

Transportes
Há paragens de autocarros que param no centro, uns que utilizam o cartão de transporte único nacional (SUBE) e uns que são pagos no próprio autocarro em dinheiro. Acabámos por utilizar sempre deste último tipo, o autocarro 221, porque não tínhamos percebido que o SUBE se utiliza em quase todo o país. Não queríamos carregar o cartão em demasia e ficar com saldo. É ligeiramente mais barato circular na rede do SUBE.

Vale a pena?
Acabamos por dizer que vale sempre a pena, mas não é de todo uma cidade obrigatória para turistas com uma agenda apertada. Para nós foi ótimo ter estes dias calmos porque precisávamos de fazer alguns ajustes ao nosso roteiro, fazer a contabilidade mensal, ver as estatísticas, editar fotografias e ter outro ambiente. Hostels grandes e muito cheios como o de Buenos Aires permitem conhecer muita gente e encontrar companhia para partilhar programas ou refeições, mas às vezes cansa estar rodeado de outros viajantes e queremos conhecer as pessoas que moram na cidade e que nos falam do país como ele é para quem lá vive. O argentino gosta de conversar, mete conversa, vê um turista de mochila às costas e pergunta de onde vem e para onde vai. Inveja o destino ou então diz que nunca esteve mas quer ir. Temos ouvido imenso que somos os primeiros portugueses nos hostels, os primeiros em Punta Ballena (Punta del este), os primeiros em Mar del Plata. Explicamos que para um português de mochila às costas a Argentina e o Uruguai são caros, que mais vale escolher uma ou duas cidades e fazer de avião, que o português não viaja muito de mochila, mas que felizmente está a mudar. Quando falamos dos preços da argentina eles desabafam sobre o momento político que vivem. Contam que o salário mínimo ronda os 950€, mas que devido à inflação perderam muito poder de compra. Quando lhes dizemos que em Portugal um recém licenciado não recebe mais do que 700€ fazem cara de espanto e perguntam como conseguimos se não se consegue ir às compras e gastar menos de 100€.
Como nota final importante, saibam que Mar del Plata não é uma cidade fácil de utilizar em roteiro para o sul/norte, porque a maioria das rotas volta a Buenos Aires, tornando a viagem cara.

365 dias no mundo estiveram 4 dias em Mar del Plata, de 6 a 9 de Março de 2017
Classificação: ♥ ♥  
Preços: tipo Lisboa  
Categorias: praia, noite, surf, parapente
Essencial: Torre Tanque, Museu MAR, Bulevar Marítimo
Estadia Recomendada: 2 dias (se fora da época balnear)

DSC_4099DSC_4006GOPR1515

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s