O centro é super pequeno, a cidade é aconchegante, percorre-se bem a pé, tem muito comércio, acaba por ser tradicional. Tornou-se num museu a céu aberto e merece ser considerada uma cidade que ama a arte urbana. Se quiserem fazer um percurso de street art há muito que ver. As escadas, os bancos e as caixas de electricidade estão pintadas por toda a cidade, mas há obras que se destacam.

365diasnomundo_agitagueda

Estacionem junto ao rio. Na rua 5 de Outubro encontram uma obra de Bordalo II, o Pisco-de-Peito-Ruivo. Por trás do edifício têm a obra Tão Bela e Preciosa.

Continuem até à rua são Bento para verem as Andorinhas da Saudade. Uma fachada simples, mas com várias andorinhas coloridas colocadas de forma estratégica. Nós recomendamos subir a rua e olhar para as casinhas.

Vejam o Auditório Cefas e em frente a obra Bira!

Subam até à Igreja Matriz. Do alto, sentem-se no muro e vejam a Lenda da Ponte do Alfusqueiro.

Desçam até ao centro pelas escadas coloridas e cheguem até aos guarda-chuvas da rua Luís de Camões e até à Ópera Pública da Rua Vasco da Gama.

Na rua do Botaréu encontram as Silhuetas Agitágueda.

Vejam o parque de skate e procurem os bombeiros. Se quiserem ir até ao pavilhão do Gica têm a obra Stensil – GICA, no caminho.

A Raquel gosta desta obra na fachada dos bombeiros voluntários, não é nada de extraordinário, mas lembra-nos que nem todos os heróis vestem capas e nem todos são imortais como nos livros de BD.

Sigam até à Biblioteca Municipal e à Biblioteca Manuel Alegre (homem da terra) e aí podem apreciar duas obras de arte urbana, o rosto do poeta na obra Manuel Alegre e o Fiel de Armazém. Aí vão ver a cabine da EDP com Gente que Sente.

Subimos a cidade até à Escola de Gestão, a rua Dr. Eugénio Ribeiro com as bicicletas e os guarda-chuvas gigantes.

Depois, na rua Dr. Manuel Alegre, a obra Aguardar. E junto à praça do Município – Velhos São os Trapos.

De carro podem ir até Recardães, à Rua Vale do Senhor, e ver a obra de Millo, Love Prisioners. Esta é outra das nossas preferidas, mas… não temos foto.

Falamos muito de arte urbana, mas não somos nenhuns entendidos. Gostamos da nova roupagem que dá às cidades, da cor, da mensagem que transmite, política e social. Não temos fotografias de tudo, sintam-se obrigados a fazer o percurso e descobrir o que falta. Ajuda a app AgitÁgueda, com a descrição, localização das obras (mais do que as que referimos) e o nome dos autores, que nós na generalidade não referimos.

Anúncios