Um bom amante de trilhas gosta de percursos mais low profile, menos concorridos, com algum desafio. O Caminito del Rey já foi isso, mas tudo mudou em 2015 quando reabriu seguro, mas muito mais popular.

Por exemplo, se hoje forem à página tentar reservar bilhete, os próximos 30 dias provavelmente estarão quase todos esgotados, tanto os bilhetes só com entrada, como na opção com visita guiada. Se falarmos de entradas de fim de semana, por incrível que pareça, em agosto encontrámos vários dias disponíveis. O site nesta altura está a fazer uma campanha a pedir apoio para se candidatarem a Património Mundial da UNESCO.

É importante dizer que não é um trilho livre. O percurso só se pode fazer num sentido, de Ardales para El Chorro. São 7,7km e cerca de 2,5 horas para o completar.

 

Como reservar os bilhetes:

Reserva-se no site, muito intuitivo e funcional, tendo de escolher a data, hora e tipo de visita. Definem o número de visitantes e decidem se querem com ou sem bilhete de autocarro (1,55€). Preenchem os dados e tudo é enviado por e-mail.

Visita guiada ou livre?

Confessamos, escolhemos visita guiada porque era a única opção disponível para a data selecionada. Então, se fosse hoje, o que faríamos?

Visita guiada

Desvantagens:

  • têm de andar ao ritmo do guia, mas acima de tudo, do grupo, que pode ir até às 40 pessoas. No site diz 25, não confere;
  • apesar de terem auriculares e rádio para ouvirem as explicações do guia, muitas vezes, quando se aproximarem de outro grupo, vão passar a ouvir com interferência do grupo próximo (pode ser que tenha uma explicação mais interessante);
  • vão-se sentir pressionados a avançar e terão mais dificuldades em tirar fotografias sem gente ao lado.

Vantagens:

  • ficam a saber a história, curiosidades e fauna e flora da trilha;
  • há alguém que zela pela vossa segurança e que vos pode tirar fotografias;

Preço – 18€

Visita livre

Desvantagens:

  • ninguém vos conta a história nem curiosidades;
  • não recebem informações sobre a fauna e flora, a não ser que percebam do assunto não sabem o que estão a ver;
  • vão perder pontos importantes que estão algo escondidos.

Vantagens:

  • o vosso ritmo, as vossas paragens;
  • se sentirem que a trilha está demasiado concorrida é só acelerar ou abrandar o passo até ficarem afastados dos grupos.

Preço – 10€

Como chegar até à entrada:

Podem chegar de carro (aconselhamos), autocarro ou comboio. O comboio pára em El Chorro (acesso sul), mas podem ir de autocarro até Ardales. De Sevilha, a viagem demora quase 3 horas de comboio e custa 16€ (i/v). De Málaga, o percurso tem a duração de 1 hora e custa 5€ (i/v). De autocarro, é possível sair da Gare do Oriente em Lisboa e chegar a El Chorro trocando de rota (pelo menos) uma vez. A viagem fica cara (cerca de 100€). De carro será sempre mais confortável. Não sabemos se compensa, mas outra solução é voar até Sevilha ou Málaga e depois seguir de comboio.

A entrada no percurso é feita pela zona norte, Ardales. É o habitual ponto de partida e/ou de chegada para o Caminito, onde os viajantes costumam ficar uma noite. Foi o sítio onde gastámos menos dinheiro em refeições (desde a viagem à américa latina). De Ardales até à entrada do Caminito são 15 minutos de carro. Há dois acessos à entrada, os dois identificados como Caminito del Rey. O primeiro fica junto ao parque de estacionamento (a 100-150m) e o Google Maps identifica como Túnel Largo (1,5km). O segundo fica junto ao Kiosko e está identificado como Túnel Pequeño (2,7km), apesar de o acesso ser bastante mais largo que o outro túnel.  O caminho mais longo vai-vos dar a sensação que estão perdidos, mas não, é o percurso mais longo, mas também chega ao mesmo sítio. Tanto num como no outro é só seguir a identificação/sinalética.

Túnel largo

Vão identificar a entrada pelas placas, barreiras, casas de banho (banheiro) e máquinas de venda automática. Ninguém entra antes da hora do bilhete e sem receber um capacete. Quem tem visita guiada tem que esperar pelo guia e  receber o rádio.

DSC_5320

O percurso:

São duas horas e meia de percurso. Fácil, seguro, e com uma vista estonteante sobre o desfiladeiro Los Gaitanes.

É constituído por passadiços, pontes e percurso em floresta. Os passadiços e as pontes são todos novos, construídos sobre ou próximos dos percursos originais, estes já muito danificados. Em El Chorro há casas de banho, cafés e a paragem de autocarro para regressar a Ardales. Há quem prefira deixar o carro aqui, ir de autocarro até Ardales e regressar de carro no fim do percurso. Nós gostamos da viagem de autocarro no fim, para descansar um bocadinho.

 

Dicas:

  • no verão a trilha é mais fresca de tarde, porque está à sombra. Nós fomos às 16h e estava ótimo;
  • levar boas botas de caminhada, roupa confortável e água;
  • não há casas de banho nem cafés durante o percurso;
  • esqueçam os chapéus volumosos, a trilha é feita de capacete, optem por lenços ou golas;
  • estacionem no parque, o autocarro de regresso deixa-vos lá;
  • levem fato de banho no verão (há praias fluviais perto para antes ou após o percurso);
  • crianças menores de 8 anos não entram, não tentem contornar o sistema, é pedida identificação com data de nascimento;
  • nada de bastões de caminhada;
  • atenção ao e-mail que vão receber com as regras, leiam-nas;
  • os bilhetes devem ir impressos,  no autocarro o motorista rasga a parte dele.

Onde dormir em Ardales:

Nós ficámos no apartamento Virgen de Villa Verde. Recomendamos, fomos recebidos com toda a simpatia e dicas. Nenhuma das dicas que a senhora nos deu sobre os restaurantes falhou.

Onde comer em Ardales:

No topo da Calle Fray Juán temos o bar Millan e o bar Paco, os dois super baratos. Millan é mais barato, vende cada tapa a 1€. Paco está aberto com um horário mais alargado. Nos dois locais são muito simpáticos e dão-vos boas dicas para as escolhas.

Leiam mais sobre o Caminito del Rey aqui.

365 dias no mundo estiveram no Caminito del Rey a 22 de junho de 2019