365diasnomundo.com

Viñales fica a duas horas e meia de Havana. Ali ficam os magotes, os campos de tabacos e algumas grutas.

Se nos seguem nas redes sociais já devem ter percebido que não adorámos a viagem a Cuba. Correu muita coisa menos bem, muitos planos que não se cumpriram e havia alguma idealização do que seria uma viagem ao país e não foi nada assim. Ir a Viñales saiu-nos ”caro”. De dois dias inteiros para explorar Havana, passámos a um só, pois no segundo fomos a Viñales. Existem tours programados, a agência cubana pediu-nos 70€/pessoa, pela civitatis (excursão ao Valle de Viñales) o mesmo tour custaria 56,5€. São tours de dia inteiro, saindo as 6 e regressando as 17 horas. Nós optámos por procurar um táxi descansados depois do pequeno-almoço. Claro que não correu bem… Atenção, queremos deixar claro que, quando dizemos que não correu bem, não quer dizer que nos arrependamos, seja destas viagens pequenas seja de toda a viagem a Cuba. Significa que sabemos que podia ter corrido melhor. Com mais pesquisa, noutra altura, com menos restrições covid, sem crise de combustível, etc. Não gostamos de repetir destinos e a sensação que ficou foi que temos de voltar a Cuba.

Como alugámos o taxi decidimos nós o roteiro. A primeira paragem sugerida por nós foi em Las Barrigonas. Dizemos que podem dispensar. A não ser que precisem duma pausa para café ou wc. É um espaço com café, WC, loja e um posto de turismo que estava fechado. Bebemos dois sumos, a piña colada do Tiago tinha rum. O nome Las Barrigonas deve-se às palmeiras, têm uma “barriga”.

Las Barrigonas, Cuba

De seguida fomos ao mural. O mural da pré-história (Mural de la Prehistoria) é desenhado no mogote Pita, Sierra de los Órganos, por Leovigildo González Morillo, pupilo de Diego Rivera, o companheiro de Frida Kahlo. Demorou 4 anos a ser pintado e foi iniciado em 1961. A graça está em ser uma das maiores pinturas ao ar livre do mundo, mas… não lhe chamaríamos imperdível. Tem também um espaço para poderem almoçar ou beber um sumo. Custou 120 pesos a cada adulto.

Mural Prehistoria, Viñales

Depois fomos à gruta, Cueva del Indio. A gruta foi descoberta em 1920 e tem um rio subterrâneo, o rio San Vicente. A gruta é iluminada e o passeio acaba com uma volta de barco até à saída, diz a descrição que saímos por uma greta directamente na selva caribenha. Não diríamos tanto… Durante o passeio de barco o guia vai-vos mostrar formações rochosas parecidas com animais ou objectos. À saída há uma espécie de mercado de artesanato e uma banca de bebidas. Foi sempre seguro passar com a Maria no marsúpio, apesar de ter uma zona de altura reduzida onde temos andar bastante dobrados para passar. Circula-se sem guia. Custou 120 a cada adulto.

Cueva del Indio, Viñales

Gruta de Santo Tomas: não tivemos tempo de ir, mas é o maior sistema de grutas de Cuba e o segundo maior da América. A gruta foi importante, pois serviu de refúgio para os cimarrones (escravos) que fugiam das plantações de cana de açúcar. A visita é guiada e demora 90 minutos, é feita de lanterna e capacete. Não sabemos o preço nem conseguimos perceber se está em pleno funcionamento.

Palenque de los Cimarrones: passámos pela entrada e não nos pareceu interessante. É uma gruta onde os escravos se escondiam e hoje tem um bar, restaurante e é explorado como ponto turístico. Tem música ao vivo, mas no dia da nossa visita estava com ar de discoteca. Pelo que lemos, o restaurante fica dentro da gruta, por isso é preciso pagar a entrada para aceder. É um espaço que historicamente é relevante, mas a parte de exploração turística destrói um bocado esse ambiente. A cueva de San Miguel funciona da mesma maneira, um bar/restaurante que à noite é discoteca.

Jardin Botânico de Pinar del Río: também não fomos. Apesar de termos pensado nisso acabámos por dispensar. É difícil fazer tudo num só dia, principalmente quando saímos já tão tarde de Havana.

Plantações de tabaco: há dezenas de fazendas de tabaco que podem visitar. A não ser que decidam antes a qual ir o motorista leva-vos à dos conhecidos/amigos. Aqui não há muito onde vos enganar, os puros (charutos) custam 5€ se forem os finos e 10€ se forem os mais grossos. Quantos mais comprarem mais barato fica. Também vendem mel e café. O fazendeiro vai-vos mostrar as suas plantações, a folha do tabaco, como se colhe e seca e depois como se enrola um puro. Podem experimentar o puro. Nós não comprámos porque temos Cohibas Explendidos em casa e não somos fumadores. Há quem fique alojado nas quintas e faça passeios a cavalo.

Folha de tabaco, Viñales
Puro, Viñales
Enrolar o puro, Viñales

Nicolas é um verdadeiro amante de Portugal. Visitou o nosso país e demonstrou ser um apaixonado pela nossa gastronomia, principalmente pelas bifanas. Uma boa bifana com mostarda sabe sempre bem, não é verdade?

Miradouro Los Jardines: o miradouro fica sobre o hotel. O Hotel Horizonte Los Jazmines tinha pinta, estava composto com clientes, e uma bela vista para os mogotes. O miradouro dá uma bela vista sobre a serra.

Los Jazmines

Há no centro uma feira de artesanato na Rua Joaquín Perez e a igreja do Sagrado Coração.

Viñales tem charme. Diríamos que pode ser engraçado irem de táxi ou autocarro e ficarem lá uma noite para poderem ir à praia, o Cayo Levisa ou a playa María la Gorda. É uma zona turística, sem dúvida, mas conseguem procurar vocês alojamentos e restaurantes sem se deixarem levar pelos guias. Está cheia de alojamentos particulares, restaurantes, espaços turísticos. Falámos acima no Hotel Horizontes Los Jazmines. O preço do hotel começa nos 71€, mas sugerimos não ficar em hotel, a não ser que não prescindam da piscina. A nossa sugestão seria chegar à cidade e procurar lá onde ficar. Há tantos alojamentos disponíveis. Os quartos particulares têm um preço bem mais simpático e ficam hospedados na casa de cubanos, com quem podem conversar.

Viñales

Quanto aos restaurantes dizemos o mesmo, procurem vocês na cidade. O nosso motorista Dani levou-nos a um restaurante de amigos (El Sabor de Kirenia) e fomos bem enrolados. Não na qualidade da comida, comemos comida de qualidade e boa, vários acompanhamentos como mandioca, arroz moro, salada. Pedimos a ropa vieja, lagosta e frango para as miúdas. Pagámos uma pequena fortuna desnecessária. Ou seja, o tour com almoço era 70€ por pessoa numa carrinha climatizada, pela civitatis menos de 60€, assim pagámos quase 65€ por adulto, em veículo desconfortável.

Este artigo pode conter links afiliados.

365 dias no mundo estiveram em Viñales a 22 de março de 2022

Partilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Indice

Mais artigos