365diasnomundo.com

VALÊNCIA: QUE FAZER EM 3 DIAS (ESPANHA)

Valência é uma cidade que é um ótimo destino de praia, para amantes de artes e para famílias. Também permite chegar às ilhas baleares, de ferry. Bem vindos à cidade das artes.

Arroz à valenciana, Valência C. F., cidade das artes e Calatrava são as primeiras palavras que nos remetem para a terceira cidade mais populosa de nuestos hermanos. Valência é a capital da comunidade valenciana e uma cidade que vale mesmo a pena conhecer.
Valência é uma cidade muito fácil de visitar, há voos directos, os transportes são bons, é fácil sair e chegar até ao aeroporto. A cidade é simpática, tem praia, o clima é ótimo a maior parte do ano e come-se bem. Valência tem mais 300 dias de sol por ano e dizem-nos que no verão é um calor dos infernos. Nós podemos confirmar que por ser julho dormimos sestas todos os dias que lá estivemos para fugir ao calor. Sentimos que aproveitámos menos do que podíamos ter feito, por exemplo, na primavera. Viajar com crianças pequenas é assim, se queremos manter as rotinas há que dar condições para isso e para a Maria isso significa sesta à hora normal no escuro. Podiam ser fora de casa, mas com o calor que estava soube bem aos três parar para uma sesta e depois voltar a sair ao final do dia revigorados e pela fresca.

Nem só de voos diretos se chega a Valência, até de carro se faz relativamente bem e podem ir de comboio, mas é mais duro.

Nós estivemos cerca de dois dias inteiros. Podíamos ter feito mais se tivéssemos focado as nossas férias em Valência em vez de dividir com Ibiza e Formentera.

Roteiro de 3 dias

Dia 1

Bairro de Carmen: bairro mais procurado da cidade. A maioria dos museus são no bairro. Podem visitar a  Portal de la Valldigna, a entrada para o bairro dos mouros, a Igreja San Nicolás, o Convento del Carmen, la Lonja de la Seda, o Mercat, os Serranos e a Catedral. O dia 1 fica neste bairro. Podem fazer um free tour de street art no bairro. É um tour de 2 horas e meia.

Com mais de 2000 anos de história Valência é uma cidade muito rica culturalmente. Não se deve perder La Lonja de la Seda. Construída entre 1482 e 1533 a Bolsa da Seda é património da humanidade desde 1996. Há duas salas imperdíveis, a Sala de Negociação ou Sala das Colunas e a Sala Dourada, com o seu tecto que vem de outro edifício já demolido.
Abre todos os dias da semana e custa 2€, é grátis aos domingos e feriados.

Catedral: como várias igrejas católicas foi construída sobre uma antiga mesquita. É imperdível a Torre do Miguelete, a Capela do Santo Cálice e o Santo Cálice, um copo do século I. Reza a lenda que Jesus serviu nele a última ceia.
A visita custa 9€ e inclui audio-guia (tem português). Visitar a torre custa 2,5€.

Porta do Palau: o grande portal de entrada da catedral é um dos marcos do edifício. Todas as quintas ao meio dia funciona aqui o Tribunal das Águas. Uma tradição com vários séculos. 8 lavradores decidem justamente a distribuição da água.

catedral valencia

Igreja de S. Nicolau: é uma das igrejas mais visitada da cidade. Foi um templo dominicano mandado construir pelo rei Jaime I. Impressiona pela sua decoração barroca, bastante vistosa.
É possível reservar visita guiada com audio-guia através de e-mail (visita@sannicolasvalencia.com). Encontrámos bilhetes à venda através dum parceiro por 11€, estudantes e reformados pagam 7€ e é grátis até aos 12 anos.

Torre dos Serranos: a porta da muralha é formada por duas torres pentagonais, uma de cada lado da porta. Foi construída pelo mestre Pere Balaguer no século XIV para proteção da cidade, no século XVI foi convertida numa prisão até 1887.

Mercado Central: nunca apanhámos o mercado central aberto, o que foi pena. Recomendamos sempre que visitem o mercado porque é onde se vê os moradores a desfrutar calmamente das suas rotinas, sejam elas comprar legumes e carne ou comer umas tapas. O edifício foi inaugurado em 1928. Abre de segunda a sábado das 7:30 às 15h.

Passámos na Plaza Redonda durante a free walking tour (Free Tour pela Valência Paranormal) e ouvimos umas histórias macabras sobre uma casa de empadas e umas mortes sinistras nas proximidades. Não vos faz lembrar nada? É exactamente a história de Sweeney Tood com Johnny Deep. A história valenciana está registada num diário de Pablo Carsí e Gil, mas diríamos que isso não faz dela verdadeira. A praça é engraçada, pelo seu formato.

plaza redonda valencia

Museu Nacional de Cerâmica: o palácio pertenceu à família Rabassa de Perellós. Quando o neto compra o título nobre Das Águas e começa a reformar o edifício.
O bilhete custa 3€. É grátis aos domingos, sábados depois das 16h, para menores de 18 anos e maiores de 65 anos e estudantes dos 18 aos 25 anos.

Dia 2

praias valencia

Uma das graças de Valência é ser à beira-mar e poder conjugar-se com umas férias de praia. Nós viemos almoçar uma paelha valenciana numa casa típica com vista para a praia, e felizmente reservámos. Percebemos que é a escolha de domingo das famílias e enche com facilidade, apesar de ser um restaurante grande, mas já vos falaremos disto.

paella valenciana

Há várias praias: Malvarrosa, Patacona, El Cabañal-Arenas, Pinedo, l’Árbre del Gos, El Saler, La Devesa, Recatì-Perellonet, El Perellò e Les Palmeres. As mais famosas são as duas primeiras que juntamente com Cabanyal e El Saler ficam em La Devesa, a faixa de terra junto ao mediterrâneo.

Cidade das Artes: La Ciutat tem 6 elementos, o Hemisfèric (um cinema IMAX 3D), o Umbracle (um miradouro jardinado com um estacionamento por baixo), o Museu das Ciências, o Oceanogràfic, o Palácio das Artes e o Ágora. O projecto é de Santiago Calatrava (Hemisfèric, Museu das Ciências, Palácio das Artes, Umbracle) e Félix Candela (Àgora e Oceanogràfic) e foi sendo inaugurado em partes desde 2000 até 2009. Por curiosidade, Calatrava é o arquiteto da Gare do Oriente.

Visitámos quase todos, o Palau de les Artes, o Oceanografic, o Museu de le Ciencies e o Hemisfèric. Todos os edifícios são impressionantes. A Maria conseguiu dormir todo o filme no Hemisfèric, o que nos surpreendeu porque o som é relativamente alto. A sessão infantil não tinha horário por isso até foi melhor para nós tê-la a dormir. A parte preferida dela foi sem duvida o Oceanogràfic.

Preço (médio, porque varia com a temporada):

  • La Ciutat: 45,20€ ou 35,40€.
  • Entrada combinada (dois recintos): 38,90€ ou 29,10€.
  • Entrada única: 8,70€ ou 6,70€.

O parque de estacionamento combinado com uma entrada custa 7€/dia. Nós fomos de transportes.

Marina de Valência: podem vir passar um tardeo à beira-mar, ou seja passar tempo numa esplanada a ver o mar. O nosso tardeo foi no Hoja Malabar, com vista para o Veles e Vents, o edificio emblemático da marina. Apanham-se aqui os ferries para Ibiza.

Barrio de Cabanyal: podem regressar da marina a pé por este bairro. É um antigo bairro de pescadores que foi crescendo em direção à cidade enquanto o centro crescia no sentido inverso. Aqui podem ver o Mercado Municipal da Rua de Martí Grajales, o Teatro Estrella, a arte urbana na rua Amparo Guillem, a Paróquia do Cristo Redentor, o mural da Avenida do Mediterrâneo, o miradouro do Passeio Marítimo e o Hotel Balneário Las Arenas. Há um free tour que podem fazer, o Free Tour pelo Bairro el Cabanyal. É um tour de 2 horas e meia.

Dia 3

O dia 3 começa fora do centro da cidade e é todo um percurso que nós não fizemos porque não tivemos tempo.

Parque Natural de L’Albufera: dentro do parque temos um lago de águas doces separado do mar por um cordão de terra (Dehesa del Saler). Há outra pequena lagoa menos conhecida (Bassa de Santo Llorenç). Podem andar de barco em Albufera.

Existe uma alternativa (Albufeira Bus Turistic) que combina um autocarro turístico no Parque Natural de Albufera e um passeio de barco no lago. Dura 2 horas e custa 22€.

El Palmar: é uma pequena vila piscatória que merece a visita. Podem visitar a Torre de El Palmar e a Igreja de São Vicente Mártir e ir às praias. Depois de visitar o parque e andar de barco podem parar numa arroceria por aqui e comer uma paella.

El Saler: já referimos esta praia quando falámos no dia 2 das praias. Esta fica junto a albufeira, perto de Valência. É rodeada de pinheiros e mais calma que as praias do centro.

Onde comer

La Pepica: foi neste restaurante tradicional junto à marina que decidimos comer uma verdadeira paelha valenciana, sem mariscos, como nos disseram.

Santa Joan’s Taberna: escolhemos jantar aqui pela proximidade ao centro. Comemos peixe e foi bastante agradável. Não é um restaurante top, mas cumpre.

Beber orxata (horchata, orchata) é, dizem-nos, imperdível. É uma bebida feita com chufa (junça). É uma bebida vegetal que pode substituir o leite tal como a bebida vegetal de amêndoas. É servido fresco com açúcar. Não quisemos experimentar por opção. A Raquel não gosta de bebidas açucaradas e para o Tiago o calor puxava a cerveja, não a batidos.

Para o pequeno-almoço ficámos sempre perto do hotel, no Paniacos & Co. Comíamos bem e ficou muito mais barato que no hotel. Também existia ao lado o Lovely Café. Comíamos tostadas ou croissants e capuccinos, pedimos agua para fazer a papa da Maria e pagámos menos no total que o pequeno-almoço para um no hotel.

Onde ficar

Nós optámos por ficar no Ilunion Valencia 4. O grupo tem vários hotéis na cidade. Este é o que fica mais afastado, mas por isso mais acessível. Os transportes põe-nos rapidamente em qualquer parte da cidade. Decidimos reservar sem pequeno-almoço (17€/dia para os dois). O hotel era recente, bem decorado e tinha sempre fruta e gomas na recepção. A Maria deve ter comido duas maçãs de cada vez que passávamos na receção, pelo prazer de ir lá buscar. Tinha piscina, mas estava sempre lotada e barulhenta. Não adorámos o serviço da receção, eram educados, mas não simpáticos. Almoçámos no primeiro dia no restaurante do hotel. Não foi caro, mas o serviço foi demorado.

365 dias no mundo estiveram em Valência de 15 a 18 de julho de 2023

Este artigo pode conter links afiliados

Partilhar:

4 respostas

  1. Que encanto a cidade de Valência! Realmente parece ter uma boa combinação de vários elementos: moderno com antigo, clima bom e ótimos restaurantes. Fiquei com vontade de conhecer!

  2. Adorei sua sugestão de roteiro de 3 dias em Valência! Adoraria visitar o Museu Nacional de Cerâmica! Ótimas dicas!

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Indice

Mais artigos

Espanha

O QUE FAZER EM IBIZA (ESPANHA)

Ibiza tem fama de ilha de noitadas e discotecas, mas continua a ser destino de praia familiar. Comprovámos que vale a pena ir a Ibiza em família e com crianças pequenas.

Ler Mais »